terça-feira, 7 de maio de 2013

Metaforamorfose

Como a borboleta antes congelada
A liberdade rompe o céu

E vai por este azul de maio
Engolindo as lágrimas
Que amolece a massa

Romper o casulo
Pular este muro
Que silencia o sorriso
Deste mastigado coração

Ganhar voo
Mudar de endereço
Estacionar em outra garagem
Em outro Estado de espírito

Ainda há traço e apreço
Para as delícias que riscam essas mãos.